CUIABÁ

Turismo

Destino dos famosos: a tranquilidade e o refúgio tropical de Anguilla

Publicado em

Turismo

source
Harry Styles, Beyoncé, Jay-Z e Adele estão entre famosos que apoveitaram o refúgio de Anguilla
Reprodução/montagem

Harry Styles, Beyoncé, Jay-Z e Adele estão entre famosos que apoveitaram o refúgio de Anguilla

Pé na areia branquinha, mergulho em mares turquesas, culinária regional rica e a possibilidade de passar o dia desfrutando de drinks à beira da praia ou em ilhas maravilhosas. Esses são só alguns atributos do que é possível fazer em Anguilla, que é considerada como a melhor e mais bela ilha do Caribe .

Anguilla é ideal para quem quer se distanciar da rotina e busca por privacidade, o que faz do local o destino preferido de muitos famosos internacionais e nacionais. Entre os nomes que já buscaram pelos encantos do local estão Harry Styles, Beyoncé, Jay-Z, Justin Bieber, Adele, Paris Hilton, Paul McCartney, Harrison Ford e LeBron James. Entre os brasileiros, Fernanda Vasconcellos, Caio Castro, Cássio Reis e Camila Coelho são algumas estrelas que marcaram presença.

Anguilla faz parte do território britânico e é vizinha de outras ilhas paradisíacas muito badaladas, como a ilha de São Martinho e as Ilhas Virgens Britânicas. Estima-se que a região conta com uma população menor do que 15 mil habitantes, o que só evidencia o porquê o local é sinônimo de refúgio, anonimato e calmaria.

A região e as ilhas que estão em seu território são pequenas e é possível conhecer o destino inteiro em poucos dias. Com 91 quilômetros quadrados, ela pode ser percorrida inteiramente de carro em 45 minutos. Pelo território plano, é comum que turistas aluguem bicicletas para explorar o local com facilidade e da melhor forma: sentindo o vento no rosto e apreciando cada tesouro anguilano sem pressa.

A ilha é dividida entre as alas West End, que proporciona um pouco mais de agito, e East End, cujas belezas são voltadas para quem realmente quer ficar imerso em total quietude. As praias são, definitivamente, as principais atrações de Anguilla. Quem já teve a oportunidade de passar por lá aponta que a beleza da região é sem igual e proporciona uma “parada no tempo” ao visitante.

As baías e as praias são sempre marcadas pelas águas bem azuis e pela areia fofinha e branca, por vezes acompanhada também da vegetação bem verde. A temperatura ambiente e das águas são agradáveis durante o ano todo; a média do clima por lá é de 28ºC a 32ºC.

Em determinados períodos do ano, a ilha recebe festivais de música e de culinária que se tornam grandes atrativos e incrementam ainda mais as possibilidades do que fazer em Anguilla . O mais famoso deles é o Festival del Mar, que acontece anualmente em Island Harbor, nos fins de semana de Páscoa. Torneios de natação e pesca, competições culinárias, shows, degustação de frutos do mar e corrida de barco a vela (o esporte local) estão entre as atrações do período.

Leia Também:  Assim como Viviane Araújo, mais famosos recorreram à fertilização

Por falar em culinária, esse é um dos pontos mais fortes de Anguilla. A ilha caribenha é repleta de restaurantes sofisticados, além de ser dona de muitos pratos interessantes para serem degustados. Os mais marcantes deles é a típica sopa do Miss Mabel, que é um guisado de cabrito, e o churrasco de costelas do Ken.

Como chegar em Anguilla?

Os principais voos diretos para Anguilla saem de Miami e da Cidade do Panamá. Desde abril deste ano, a American Airlines opera voos diários com saída do Aeroporto Internacional de Miami com chegada pelo Aeroporto Internacional Clayton J. Lloyd (AXA), perto de The Valley, capital de Anguilla.

Também é possível chegar pelo aeroporto de Sint Maarten (lado holandesa das Ilhas de São Martinho, diferente de Saint-Martin, que corresponde ao lado francês) e pegar um barco à Anguilla. O trajeto do barco tem previsão de chegada de 20 minutos à ilha.

Com saída do Aeroporto Internacional de Guarulhos (GRU), em São Paulo, os preços das passagens aéreas, ida e volta, podem custar a partir de R$ 9,5 mil* e até passar dos R$ 20 mil. Fechar a viagem com bastante antecedência pode ajudar o turista a encontrar preços mais baixos.

O que fazer em Anguilla?

West End

Considerado o lado mais efervescente da ilha, é na West End onde estão os principais hotéis e resorts cinco estrelas, os restaurantes mais populares e algumas das mais belas praias de Anguilla. As principais praias da região são Barnes Bay, Cove Bay, Maundays Bay, Meads Bay, Rendezvous Bay e Long Bay. Todas elas formam um arco de areia luminoso e macio, acompanhado pelo belo mar azul. O principal cartão-postal de West End é o esplendoroso arco de pedras que se ergue acima do nível do mar.

East End

Este lado de Anguilla é marcado pelo clima ainda mais calmo, tranquilo e relaxante. Não à toa, a principal atração da região é uma praia praticamente deserta chamada Shoal Bay. Ali, os guarda-sóis azuis, as montanhas e os coqueiros tombados ajudam a compor a atmosfera paradisíaca da beira mar. O clima de isolamento garante muita privacidade. A região conta ainda com muitas opções de spa, algumas acomodações, bares e restaurantes.

The Valley

Localizada no centro de Anguilla, a capital abriga bancos e prédios governamentais, reserva traços da arquitetura colonial inglesa e preserva construções históricas datadas do século 19. A ilha conta com uma grande variedade de construções de igreja, sendo a principal delas a St. Gerard’s Catholic Church (pela estrutura em três arcos pontiagudos e a fachada de pedras).

Leia Também:  Carol Roberto reúne famosos na primeira edição do "Carol Folia"; veja!

Há algumas praias na região, como a Crocus Bay Beach, que tem águas claras e tem trechos do mar cercados por paredões rochosos, e a Little Bay, que é bem pequena e conhecida por ser uma das mais quietas de toda a ilha.

Atividades aquáticas

A abundância de mar e o clima sempre tropical convida os turistas a realizarem diversas práticas aquáticas e subaquáticas. Mergulhos no mar, snorkeling, observação de animais marítimos e stand up são apenas algumas das possibilidades do que pode ser feito em Anguilla; sem falar nos passeios de barco e escuna. É possível incluir essas aventuras no pacote ou buscar por elas em agências de turismo.

Nos territórios de Cove Bay e Long Bay, no meio do mar, o turista pode se aventurar também no Anguilla Watersports, parque aquático que oferece estrutura e diversas opções de esportes radicais marítimos para praticar.

Assistir corridas de barco a vela

Na primavera e no verão são realizadas diversas corridas, mas é no fim de semana do Festival del Mar que acontece a final da Semana de Corrida de Barcos. O nome dos espectadores desses eventos é Landracers, que se reúnem na costa da praia para torcer para o time preferido.

As corridas de barco a vela são uma tradição e passatempo enraizados na região desde o início do século 20. Além de ter um forte contexto histórico que remete ao retorno dos trabalhadores, que buscavam emprego em outras ilhas em um momento crítico da economia anguilana e apostavam as corridas ao regressar, é um esporte que causa muita emoção e adrenalina (tanto ao espectador como ao participante).

Island Harbor

Localizada no extremo leste, é uma vila de pescadores bastante pitoresca e charmosa. O local conta com um belo píer de pesca rodeado de conchas e repleto de barquinhos coloridos, um dos locais mais instagramáveis de toda ilha. Island Harbor é conhecida também por ser a sede do tradicional Festival del Mar.

Scilly Cay

De Island Harbor, é possível pegar um bote para Scilly Cay, uma bela ilha privada conhecida principalmente por ser o eixo gastronômico de Anguilla. Por lá, é possível desfrutar dos pratos típicos da melhor qualidade à base de frutos do mar, como lagosta grelhada, lagostim e caranguejo. A região também é conhecida por oferecer o característico ponche de rum.

Entre no grupo do Telegram do Portal iG !

*Preços consultados em 20 de maio de 2022 considerando as datas de 19 a 26 de junho.

Fonte: IG Turismo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Turismo

Food Truck cria atmosfera brasileira com açaí e coxinha em Israel

Publicados

em

Clientes nos espaços de convivência do Pipa Food Truck
Arquivo pessoal

Clientes nos espaços de convivência do Pipa Food Truck

A brasileira Rafaela Stambowsky Moses e seu marido israelense Dean Moses abriram no verão de 2021 o Pipa Food Truck , ponto de encontro de brasileiros e israelenses em Atlit, um município de Israel. Nascida no Rio de Janeiro, a jovem foi para Israel sozinha com 16 anos para participar de um programa de estudos no país após convencer seus pais e, desde 2008, permanece no país do Oriente Médio.

“Eu viajava uma vez ao ano para o Brasil para visitar minha família no início. Porém, depois de tanto tempo aqui, houve uma época que não fui ao país por quatro anos. Agora, o objetivo é visitar de dois em dois anos”, conta a carioca.

Entretanto, o Pipa Food Truck, que recebe o nome da praia localizada no Rio Grande do Norte , surgiu de surpresa na vida do casal. Isso porque, Rafaela é formada em propaganda e marketing e trabalhava na área, mas quando foi diagnosticada com a doença de Crohn, uma enfermidade inflamatória gastrointestinal, precisou deixar o emprego na área. Após se curar, ficou um tempo trabalhando na antiga empresa de limpeza de estofados do marido.

Antes de abrirem o Pipa, Rafaela e Dean também já tiveram um projeto que fornecia uma experiência de acampamento com mais infraestrutura. Porém, no meio disso, a prefeitura israelense publicou um edital que apoiaria a criação de um estabelecimento. Dois meses depois, receberam a notícia de que haviam sido escolhidos. Foi neste momento que o Pipa nasceu. O empreendimento atualmente está na praia de Hof Hamivtzar , mas já esteve em Neve Yam, vilarejo no norte de Israel.

Leia Também:  Com roteiro dos EUA ao Brasil, turista pode visitar ilhas do Caribe

“Desde o início houve muita mudança, primeiramente porque ele não tinha o objetivo de ter comidas brasileiras, apenas aperitivos e comidinhas de praias que fazem sucesso globalmente, como batata frita, hambúrguer, frutas, saladas e bebidas. O açaí surgiu porque também já fazia sucesso aqui em Israel e pedi para meu marido adicionar no cardápio”, explica.

Ela conta que foi a partir do açaí que os clientes gostaram do negócio, porque tinha a cara do Brasil: “Eles misturam o açaí com outras coisas aqui, e a gente só colocava banana e granola no início”. O açaí segue liderando nas vendas.

No avanço para consolidar o sucesso do quiosque móvel, ela cita que quem teve a ideia de dar uma cara brasileira para o local, foi, na verdade, seu marido. Ela amou a ideia e embarcaram nessa juntos. 

“Ele já foi para o Brasil, morou um tempo e até aprendeu a falar português fluentemente. Dean ficou apaixonado pela nossa cultura. Foi ele quem deu o nome de Pipa, pois adorou a praia no Rio Grande do Norte. Além disso, ele também já trabalhou um tempo como guia turístico de alguns israelenses que queriam viajar para o Brasil”, narra a publicitária.

A carioca começou a divulgar o food truck entre grupos de brasileiros que moram em Israel e deu certo. “Nessa rede, eu também passei a conhecer outros estabelecimentos de brasileiros que moram aqui, tanto os que já existiam, quanto os outros que começaram a nascer”.

Logo após o sucesso, surgiram as outras receitas brasileiras no cardápio. Hoje, vendem brigadeiro , pão de queijo , pastel de carne e de queijo , coxinha de frango , caipirinha água de coco . Mas salienta que, também vendem receitas israelenses, como o sanduíche sabich e a sobremesa malabi , e continuam com as mais universais.

Além disso, fora do empreendimento, ela passou a realizar eventos servindo as comidas brasileiras. “Em eventos também servimos a feijoada , que é um sucesso”, completa.

“Muitas pessoas pensam que o espaço só atraí brasileiros, mas não: aqui os clientes são bem diversificados, os israelenses também têm um carinho pelo Brasil e gostam da nossa culinária. E aqueles que já viajaram para o Brasil [e conhecem a culinária] sempre falam que amam nossas receitas”, adiciona.

Casados desde 2019, tiveram uma filha recentemente, e precisaram se adaptar, o que fez com que precisassem arranjar parceiros para ajudá-los no dia a dia. “Contamos com a ajuda da Sandy Feldman, que ajuda na preparação dos brigadeiros, a Val Buchbinder ajuda na preparação do pão de queijo, coxinha e a feijoada, e o Wanderley Pereira auxilia com os pastéis”, diz. Para o açaí, eles utilizam a fornecedora da marca Sambazon que existe no país.

Como mudaram de praia, Rafaela comemora algumas facilidades que vieram com isso. “No começo a gente precisava tirar o food truck da praia com um trator, agora nós deixamos ele em um lugar coberto dia e noite, pois essa nova praia tem mais infraestrutura e nos dá mais segurança”.

O Pipa também oferece atração musical com foco em gêneros de música brasileiras; já passaram por lá gêneros como o MPB e o forró. “Gostamos de criar essa atmosfera brasileira em Israel”.

Outro ponto que ela levanta é que mesmo com o conflito de Israel e Palestina, o seu negócio nunca foi afetado, pelo contrário. “As pessoas gostam de vir até aqui, pois traz paz para elas”.

A carioca também fala do seu desejo de ampliar o lugar no futuro, criando um espaço fixo: “O food fruck faz com que a gente viva de temporadas, mas não descartamos a possibilidade de um dia abrir um estabelecimento próximo à praia, pois amamos o ambiente”. 

Anteriormente, o lugar abria só aos finais de semana, mas hoje abre todos os dias das 9h às 20h (no fuso horário de Israel). Vivendo no país há 15 anos, ela brinca: “Daqui a pouco faço a mesma idade de quando cheguei aqui”.

Acompanhe o  iG Turismo também pelo Instagram e receba dicas de roteiros e curiosidades sobre destinos nacionais e internacionais.

Fonte: IG Turismo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA