CUIABÁ

MULHER

Queda de libido: entenda como hormônios podem melhorar apetite sexual

Publicado em

MULHER

Divórcio, rotinas e hábitos são fatores da queda de libido em casais durante a pandemia
Foto: Reprodução/Freepik

Divórcio, rotinas e hábitos são fatores da queda de libido em casais durante a pandemia


Durante a pandemia, 24% dos brasileiros tiveram menos pensamentos sobre sexo, enquanto mais de um terço (36%) alegaram que se masturbaram com menor frequência. Os dados, produzidos em pesquisa pelo Instituto Omens em parceria com o Datafolha, revelam que milhões de brasileiros tiveram uma redução do apetite sexual nos últimos dois anos.

A libido, denominação para o desejo sexual, é relacionada à liberação de hormônios no corpo humano. Entre eles, estão a testosterona, o estrogênio, a ocitocina, o estradiol e a progesterona. 

Segundo o médico integrativo Dr. Enrique Lora, a falta de libido acarreta diversas complicações para a vida sexual de um indivíduo, como ejaculação precoce, dificuldade de ereção, falta de lubrificação e dificuldade para chegar ao orgasmo.

Falta de libido

dr enrique lora
Foto: Divulgação

Enrique Lora é nutrólogo especializado em medicina integrativa

De acordo com dr. Enrique, as causas da falta de libido são multifatoriais. Na maioria das vezes, a queda de desejo está ligada a hábitos não saudáveis. Sedentarismo, tabagismo, alcoolismo, falta de vitaminas e minerais, ansiedade, depressão, angústia e queda hormonal são algumas das fontes desse problema.

Além das causas físicas e hormonais, o médico pontua que fatores emocionais também podem afetar o desejo sexual: ”Muitas vezes estamos insatisfeitos com a relação, outras vezes com o parceiro ou com nós mesmos. Esse cenário vai acarretar questões internas relacionadas com a autoestima’’.

Com a rotina constante da pandemia, relacionamentos amorosos foram excepcionalmente afetados. O ano de 2021, por exemplo, chegou ao valor recorde de 40.573 divórcios no Brasil, maior número em treze anos. Com hábitos maçantes e sem a possibilidade de sair de casa, a vida sexual e afetiva de milhares de casais foi prejudicada.

‘’É preciso uma consulta muito minuciosa e assertiva para conseguir identificar os pontos falhos assim como realização de exames para identificarmos o que precisa de equilíbrio. Com esse acompanhamento, é possível mudarmos completamente o cenário’’, afirma.


Tratamento

Para Enrique, o tratamento hormonal é uma das melhores alternativas para quem deseja o retorno do desejo sexual. Seja por via transdérmica, injeções ou implantes hormonais, a reposição pode trazer certa normalidade à vida do paciente.

Tratamento hormonal deve ser indicado por especialistas
Foto: Reprodução/Freepik

Tratamento hormonal deve ser indicado por especialistas

Segundo o médico, não existe limite de idade para o tratamento. ‘’Quando falamos sobre falta de libido, já precisamos nos atentar com pacientes de 20 a 25 anos de idade. Afinal, se observa uma grande exposição repentina de fatores estressores nessa faixa etária’’

‘’Quando chegamos na fase dos 40 anos de idade, fisiologicamente entramos em um cenário chamado de declínio gonadal, que é uma mudança muito acentuada dentro do organismo, causada pelo envelhecimento das células’’, diz.

Tratamento

A falta de libido, além de afetar a vida sexual, também pode afetar a vida social e profissional do ser humano. Para a advogada Maria José (52), a indisposição e o cansaço eram problemas diários com os quais ela tinha que lidar. ‘’Eu não tinha energia para mais nada. Eu ficava deitada a maior parte do tempo, sabe? Eu não tinha energia nem para sair’’.

maria jose
Foto: Divulgação/Arquivo pessoal

Maria José, advogada e paciente do dr. Enrique

Leia Também:  Municípios rurais podem participar de edital para investimento em ações de educação em saúde ambiental

Determinada a mudar sua situação, Maria decidiu buscar ajuda profissional. ‘’O ânimo e a disposição eram praticamente zero. Eu já tinha ido a uma ginecologista que fazia minha reposição [pela menopausa]. Porém, eu nunca conseguia chegar no equilíbrio, até receber a indicação do tratamento hormonal’’.

Depois de alguns exames e testes de dosagem com o dr. Enrique, Maria conseguiu encontrar o equilíbrio hormonal para seu corpo. Com a reposição de estradiol, testosterona e progesterona, a paciente atingiu o sucesso do tratamento. ‘’Eu lembro que após uma semana usando a medicação, eu já me sentia bem melhor. Hoje, eu não posso mais viver sem’’.

Maria declara que, além do aumento da libido, o tratamento também melhorou seu humor. Para a advogada, sua irritabilidade diminuiu bastante desde o início da reposição. ‘’Não dá para a gente ficar brigando por tudo e com todo mundo o tempo todo, né? Então, hoje, eu estou super equilibrada’’.

Qualidade de vida

Além do tratamento hormonal, existem diversas atividades que podem aumentar o apetite sexual.

Segundo Enrique, atividades físicas em geral são essenciais para o aumento da libido. Seja na musculação, nos exercícios aeróbicos ou no crossfit, atividades de alto impacto e resistência são fatores essenciais na produção de hormônios pelo corpo.

Além disso, atividades respiratórias, como yoga, meditação, pilates e alongamentos também podem melhorar no apetite sexual, como foi o caso de Maria: ‘’Eu não deixo de praticar yoga. Isso ajuda muito’’, declara.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MULHER

O que leva uma pessoa a engordar de repente?

Publicados

em

Afinal, como emagrecer de vez? É possível vencer a obesidade?
Divulgação

Afinal, como emagrecer de vez? É possível vencer a obesidade?

Entre as causas que levam uma pessoa a engordar de repente, deve-se considerar em primeiro lugar as alterações hormonais; seja por ter desenvolvido um hipotireoidismo, ou alguma doença com excesso de cortisol, sedentarismo que faz perder musculo e o metabolismo desacelerado, ou ainda quando a pessoa está passando por um período de extrema ansiedade e começa a comer descontroladamente, muitas vezes sem perceber.

Entre no canal do iG Delas no Telegram e fique por dentro de todas as notícias sobre beleza, moda, comportamento, sexo e muito mais!

Para começar a avaliação do paciente para a perda de peso, precisamos observar os três pilares básicos que são: equilíbrio hormonal, dieta equilibrada e mudança da mente. “Antes de qualquer tratamento para perda de peso, precisamos avaliar as causas, o que está envolvido com o ganho de peso, incluindo as doenças relacionadas com a obesidade e como elas devem ser tratadas. Além de uma série de outros exames que são necessários para o diagnóstico exato e o tratamento adequado para cada caso”, explica Gabriela Iervolino, médica endocrinologista, membro da Sociedade Brasileira De Endocrinologia E Metabologia (SBEM).

Outra causa muito importante e que devemos ficar atentos é o uso de medicações que faz com que a pessoa ganhe peso, como  por exemplo, escitalopram, lítio, quetiapina, paroxetina, mirtazapina entre outras. São medicações normalmente utilizadas por neurologistas ou psiquiatras. “Mas é preciso ter muito cuidado porque tais medicações, uma vez indicadas por estes especialistas, são de fato necessárias, mas podem fazer com que a pessoa tenha mais fome, resultando em ganho de peso. Neste caso, a sugestão é que se converse com o psiquiatra/ neurologista e veja uma outra alternativa, caso a pessoa esteja ganhando muito peso.”

obesidade
Divulgação

Conheça os 3 pilares básicos do emagrecimento

Depois que avaliamos a parte hormonal, se há uso ou não de medicações que vai impactar com o ganho de peso, vamos avaliar a parte da alimentação, o tipo de dieta equilibrada com uma quantidade de nutrientes e proteínas adequadas para perder peso. “É preciso lembrar que a obesidade não significa que a pessoa seja bem nutrida, a maioria dos obesos são desnutridos, pois eles possuem excesso de peso, mas não tem quantidade de nutrientes, ou seja, vitaminas e proteínas, na medida adequada”, esclarece Iervolino.

Leia Também:  Xô, inveja! Autoconhecimento pode ajudar a afastar energias negativas

É preciso ter um apoio, um suporte, isso também é muito importante. Para se vencer o peso de vez, é preciso saber onde se está errando para mudar os seus hábitos, como praticar exercícios físicos com frequência semanal. E a parte principal é a mudança de mente; o paciente precisa enxergar a alimentação de outra forma e voltar a ter o controle sobre a escolha da sua alimentação.

Hoje muitas pessoas, que passaram por tantas dietas e alimentação profissionais, já não acreditam mais que seja possível emagrecer efetivamente, e quando procuram um profissional é apenas por desencargo de consciência. “Em consulta, converso com os meus pacientes sobre isso, porque não é só o peso, mas a mudança de atitude que conta muito, escolhendo alimentos mais saudáveis, com uma programação ideal na alimentação, hábitos saudáveis, prática de exercícios físicos. Para tudo isso, a mudança de mente é extremamente importante.”

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA