CUIABÁ

MULHER

Horóscopo do dia: previsões para 14 de maio de 2022

Publicado em

MULHER

source
As mandalas do horóscopo do dia são feitas pelo astrólogo Marcelo Dalla
Marcelo Dalla

As mandalas do horóscopo do dia são feitas pelo astrólogo Marcelo Dalla

ÁRIES

É importante agora investir em aprofundamento, pesquisa e investigações. Com análises e reflexões você pode corrigir falhas, perceber quais mudanças devem ser promovidas e rever velhos conceitos. Assim pode tomar iniciativas mais sensíveis. Em quais assuntos deve investir sua força, sua determinação e perseverança? A Lua segue em Escorpião, enquanto Marte se aproxima de Netuno: a dica é promover ações mais sensíveis, cultivar solidariedade e expressar as emoções da forma mais elevada possível.

TOURO 

Mercúrio segue retrógrado até 03/06: a forma como se expressa e se integra com o mundo ao redor continua em destaque. Você pode investir conversas agradáveis e prazerosas, mas esteja atento para evitar falhas ou mal-entendidos. Revisões continuam em pauta! É importante abrir a mente, promover reavaliações, buscar novos assuntos, expandir sua rede social. A liberdade de pensamento, as novas correntes vanguardistas e os estudos estão favorecidos. Porém, cuide para não acelerar demais! 

GÊMEOS

Procure desacelerar para se conectar com a intuição. A Lua segue em Escorpião, favorecendo o aprofundamento e as investigações. Dá vontade de buscar novidades, mas procure traçar uma meta, priorizar assuntos, para que possa ter algum foco e planejamento. Assim pode aproveitar melhor as novas possibilidades que se apresentam. Com a Lua quase cheia e Mercúrio em movimento retrógrado, é tempo de rever velhos conceitos obsoletos. Bom período também para preparar novos projetos, que ganharão impulso após seu aniversário. 

CÂNCER 

A Lua segue em Escorpião, favorecendo iniciativas mais sensíveis. A intuição afiada permite compreensões mais profundas. Você pode encarar os desafios que se apresentarem e cultivar o desapego, perdoar. Além disso, você pode encaminhar tarefas que estavam paradas, cultivar sua capacidade de liderança, agir com mais coragem e firmeza. Mas é bom lembrar: evite a pressa e a correria, procure cuidar bem de suas energias. Ações impulsivas e agressivas podem causar erros e prejuízos.

Leia Também:  Tarot: use o Arquétipo de Lilith para  independência e autoconfiança

LEÃO 

A Lua cresce em Escorpião, favorecendo a profundidade. Vale ir mais fundo em tudo o que se propuser a fazer. Promover aprofundamentos e análises para que tudo funcione melhor. Mas sem acelerar demais, pois Mercúrio segue retrógrado. Busque diagnósticos, pesquise, encaminhe seus projetos com bons contatos. Evite exagerar nas críticas e reclamações. O Sol desafia Saturno, a responsabilidade pode ser equilibrada com doses de leveza. Respire fundo, evite acumular muitos compromissos.

VIRGEM 

Com Mercúrio retrógrado, os intercâmbios e a comunicação passam por revisões. Procure ser claro e cordial, há risco de percepções distorcidas e enganos. Lembre-se que ninguém é o dono da verdade. Fundamental agora é checar os dados e cultivar abertura para novas informações. Os processos de aprendizagem ficam favorecidos se estiver de antenas ligadas. É tempo de cultivar seu lado mais questionador, informar-se melhor e conectar-se com as correntes vanguardistas de pensamento.

LIBRA 

Esta é uma fase revolucionária, de reavaliações amplas, gerais e irrestritas. Grandes transformações estão ocorrendo, tanto individualmente, quanto coletivamente. Você pode promover intercâmbios, buscar informações e bons aprendizados. Porém, pesquise melhor as informações, cuidado com notícias falsas e enganos. O céu traz aspectos dinâmicos, aproveite para movimentar a energia, arejar a casa e a vida. Novos conhecimentos e compreensões podem proporcionar mais inspiração e liberdade. 

ESCORPIÃO 

Continue investindo na estruturação de seu projeto, no aprimoramento de tudo o que faz. A Lua ingressa em seu signo, enquanto Marte combina forças Netuno, inspirando mais sensibilidade para avançar, mergulhar de cabeça em qualquer situação e resolver qualquer assunto. A intensidade e a sensibilidade entram em pauta, cuidado com reações emocionais exageradas. Vale reservar momentos para refletir. Para que venham novidades é preciso mergulhar fundo em si mesmo, enfrentar as questões e curar velhas mágoas.

Leia Também:  Folha de repolho usada por Maria Flor realmente funciona?

SAGITÁRIO 

Oportunidades podem surgir se ampliar suas redes sociais, investir em novas amizades e novos conhecimentos. Período ideal para atualizar-se, investir também em novidades tecnológicas. Suas habilidades diplomáticas continuam sendo testadas. Cultive sua capacidade de unir forças, trabalhar em conjunto e pensar no coletivo, para que possa realmente fazer a diferença. Esteja disponível para ouvir. Mercúrio segue retrógrado: é importante pesquisar melhor antes de fechar contratos, há risco de enganos.

CAPRICÓRNIO

Você pode interagir, socializar, atualizar informações, sempre atento para esclarecer dúvidas e mal-entendidos. Aproveite o momento para pesquisar melhor sobre algum assunto. Mas lembre-se de estar aberto para promover revisões e reavaliações. Caminhamos para uma Lua cheia com eclipse, não é bom ficar atolado de compromissos, sem espaço para correções, manobras e adaptações. Período de clímax para muitas situações. Com a intuição mais afiada, fique atento para os insights que podem surgir.

AQUÁRIO 

A Lua segue em Escorpião, fica mais fácil compreender o que está errado para que seja corrigido. Vale cultivar suas habilidades comunicativas para que possa corrigir erros, esclarecer confusões, enganos e mal entendidos. Aproveite também para repensar sua noção de valores, o modo como negocia e as crenças relacionadas com a forma de ganhar dinheiro. Qual o valor que dá para seus dons, seus talentos e seu trabalho? Quando você se valoriza, o Universo corresponde na mesma moeda.  

PEIXES 

É importante agora cultivar a autocentralidade, desacelerar, meditar, sem tanta pressa ou correria. A Lua segue em Escorpião e Marte se combina com Netuno: você ganha força para avançar, mas as iniciativas devem ser elevadas e solidárias. Você ganha também coragem para mergulhar mais fundo em suas questões para promover mudanças. É grande o poder, tanto para curar, quanto para destruir. A escolha é sua. Quanto mais conectado com a intuição estiver, melhores decisões pode tomar.  

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Queer pelo nosso canal no Telegram.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MULHER

Mulheres com deficiência têm sexualidades negadas e desmotivadas

Publicados

em

source
Mulheres com deficiência falam sobre sexualidade e os desafios causados pelo capacitismo.
Arquivo pessoal

Mulheres com deficiência falam sobre sexualidade e os desafios causados pelo capacitismo.

O Brasil possui 10,5 milhões de mulheres com algum tipo de deficiência física ou intelectual, segundo um levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE. Apesar de serem uma parcela expressiva da população, as mulheres com deficiência são constantemente marginalizadas e desumanizadas em diferentes áreas da vida, incluindo a sexual.

A infantilização ou a presunção de que todas as pessoas com deficiência não têm sexualidade são algumas das barreiras que essa população enfrenta diariamente, especialmente pelo preconceito de que a deficiência pode, de alguma forma ser um impedimento para uma vida comum. 

Para a ativista e jornalista Sarah Santos, é necessário desmistificar a ideia de que toda pessoa com deficiência é assexual, (pessoa que sente nenhuma ou pouca atração sexual) também chamando a atenção para a importância de reconhecer a autonomia  delas. 

“Eu tenho 24 anos, sou jornalista e pós-graduada. Já comprei uma casa e tenho toda uma vida de autonomia e independência, mas muita gente preconceituosa infelizmente ainda insiste em me ver como uma criança. Por causa da deficiência, acham que eu sempre preciso de alguém, que sou dependente de alguma outra pessoa, mas a verdade não é bem assim. As pessoas com deficiência estão cada vez mais independentes. A nossa deficiência não nos limita, o que nos limita é a sociedade ao nosso redor, que não é acessível e inclusiva”, diz a jornalista. 

Outro ponto levantado por Sarah é o pensamento de que se relacionar com pessoas com deficiência é fazer um favor ou um “ato heróico”. Ela relata como atitudes como essa são capacitistas e afetam negativamente a autoestima dessas mulheres. 

“Quando estamos com pessoas que se colocam num pedestal por estarem conosco, acabamos naturalizando o pensamento.‘Caramba! Fulano é muito bom mesmo por estar comigo, porque olha, eu tenho uma deficiência. Ele podia namorar uma menina sem deficiência, mas ele escolheu me namorar. Que legal!’. Acabamos aceitando qualquer coisa. Se a pessoa nos trata mal acaba sendo aceitável por se tratar de uma pessoa namorando uma mulher com deficiência. Os relacionamentos acabam se tornando abusivos.” explica.

Sarah já viveu esse tipo de relacionamento aos 14 anos, quando teve o seu primeiro namorado. Ela conta que o namoro não era aprovado pela mãe do rapaz por causa da deficiência dela e que chegou a ouvir diversos comentários negativos vindo de diferentes pessoas. No entanto, por ser muito jovem, não sabia como lidar com a situação. 

Leia Também:  Horóscopo do dia: previsões para 25 de fevereiro de 2022

“A mãe dele dizia que não tinha preconceito, mas não queria que o filho namorasse comigo por ter medo do que as pessoas iam falar. Ele me apresentava e logo vinham comentários: ‘Nossa! Ela é bonita!’, mas  ele sempre falava, ‘Mas você viu que ela tem uma deficiência?, como se isso de alguma forma me diminuísse. As pessoas o colocavam como um cara muito legal, um super-herói por estar namorando uma pessoa com deficiência Eu só sabia que eu me sentia muito desconfortável com aquilo”, relembra Sarah. 

Dificuldade em relacionamentos

Lelê Martins, criadora de conteúdo digital no Instagram e no TikTok sobre  PCDs, se tornou uma pessoa com deficiência após perder uma das pernas em um acidente. Depois disso, ela viveu experiências românticas negativas. Para Lelê, é difícil conseguir se envolver de forma romântica com outras pessoas e se ver merecedora desse afeto.

“Até hoje tenho bloqueios, porque tenho medo das mesmas coisas acontecerem e tudo se repetir. Claro que a gente trata isso com o tempo, mas a liberdade afetiva e amorosa que tinha antes não voltou. Mas também entendo que tem que ser no meu tempo, então vou com calma e na medida do que alcanço”, desabafa  Martins.

Lelê relata uma das experiências traumáticas que viveu. Logo após sofrer o acidente, ela foi abandonada pelo namorado da época. Martins conta como o acontecimento abalou a sua confiança autoconfiança e como ela ainda está tentando recuperar essa autoestima. 

“Na época eu me culpei por isso, ficava pensando que ele estava mais que certo, porque ‘ninguém merece namorar uma inválida’. Era isso que pensava de mim mesma. Depois só percebi que ele era um covarde por não ter sido cauteloso ao fazer isso. Mas foi horrível para mim na época, porque rapidamente entendi que o afeto não era mais para mim e demorei muito tempo (para entender) que eu tenho direito a viver isso também. Ainda estou tentando”, diz a criadora de conteúdo. 

Padrões de beleza atrapalha autoestima

Lelê destaca como a sociedade retira qualquer traço de sensualidade e atratividade das mulheres com deficiência, fazendo com que elas mesmas se sintam dessa forma. 

“Eu sempre fui fora do padrão, mas uma das poucas coisas que amava no meu corpo eram minhas pernas, tanto que sempre usei roupa curta para mostrar mesmo. Mas quando aconteceu o acidente eu achei o meu corpo horrível. As pessoas me diziam para usar roupa comprida para esconder minha deficiência e foi o que acabei fazendo. E isso gerou um processo de parar de me cuidar, coisa porque ninguém mais ia me querer mesmo. Reconstruir isso foi uma das tarefas mais difíceis da minha vida”.

Leia Também:  Amor em abril: veja as previsões para a sua vida amorosa

Além disso, como mulher preta, ela também percebe a falta do debate racial na comunidade PCD, além da dupla marginalização e solidão que sofre.  

“Essa solidão vai além de relações amorosas. Isso aparece na família, amigos, pessoas próximas, do trabalho  etc. Eu tenho que ser forte sempre, não tenho o direito de chorar. Existe uma falta de racialização do debate, pois são em pouquíssimos casos que pessoas negras são infantilizadas; muito pelo contrário, somos adultizadas muito rápido. Porém, o afastamento do meu direito á sexualidade foi realmente uma pauta quando me tornei  PCD tanto que eu mesma desacreditei ter o direito de viver isso”.

Educação sexual

Falar sobre sexo e sexualidade é um tabu em na sociedade. Essa dificuldade para abordar o tema muitas vezes é acentuada dentro dos lares com pessoas com deficiência. Essas famílias tendem a ser superprotetoras  ou não entendem que PCDs também são donas de  sexualidades como qualquer outra pessoa. 

Sarah Santos defende a importância da educação sexual e relembra como foi  importante para o seu amadurecimento ter um diálogo aberto com a mãe sobre relações sexuais. 

“A gente vive numa sociedade que às vezes é extremamente conservadora, que acredita que o caminho é não dialogar e não ensinar sobre educação sexual. Eu tive sorte por ter esse diálogo aberto com a minha mãe. Foi muito importante para eu conseguir entender situações ruins relacionadas a minha sexualidade e construir a minha autoestima, ter autonomia sobre o meu corpo e tomar as minhas próprias decisões, sem pensar em agradar alguém, seja o meu namorado, as minhas amigas ou a tendência do momento”, afirma a jornalista. 

Difundindo informações

As experiências de Lelê  a motivaram a se comunicar com mais pessoas que podem sentir a mesma solidão e sensação de não pertencimento que ela. Em suas redes sociais ela se comunica diretamente com pessoas com deficiência e traz de uma maneira descontraída informação sobre o assunto. Atualmente, o perfil dela, chamado “blogueirapcd”, tem 36 mil seguidores no Instagram e 28 mil no TikTok.

“Quis começar na internet porque precisava me conectar com pessoas que vivem o mesmo que eu, para entender que não estava sozinha nesse mundo. Acabei encontrando uma comunidade muito acolhedora”, finaliza a criadora de conteúdo. 

Ela não é a única. Sarah também usa as suas redes sociais como forma de ativismo e tem 253 mil seguidores no  TikTok. Lá, ela aborda pautas da comunidade PCD, trazendo informação e desmistificando preconceitos. 

Agora você pode acompanhar todos os conteúdos do iG Delas pelo nosso canal no Telegram.  Clique no link para entrar no grupo. Siga também  o perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mulher

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA