CUIABÁ

ECONOMIA

Necessidade de assembleia na Petrobras pode fazer troca levar um mês

Publicado em

ECONOMIA

source
Mudança no comando da Petrobras pode levar mais de um mês
Redação 1Bilhão

Mudança no comando da Petrobras pode levar mais de um mês

De acordo com fontes no alto escalão da Petrobras, a mudança no comando da estatal decidida pelo governo na noite desta segunda-feira (23) não será imediata. Para ser efetivado no comando da empresa, o novo presidente vai ter que ser nomeado integrante do Conselho de Administração.

Esta será a terceira vez, em menos de quatro anos, que o presidente Jair Bolsonaro troca o comando da Petrobras. O governo dele começou, em 2019, com Roberto Castello Branco, indicado pelo ministro Paulo Guedes, à frente da estatal. Ele foi substituído no ano passado pelo general da reserva Joaquim Silva e Luna, que caiu um ano depois pelo mesmo motivo do antecessor: desagradou a Bolsonaro com a manutenção dos reajustes dos combustíveis seguindo a cotação internacional do petróleo.

Entre no canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

José Mauro Coelho caiu em desgraça logo em 9 de maio, após a Petrobras anunciar aumento de 8,8% do diesel, e agora deixa o cargo após apenas 40 dias. Só que trocar o presidente da maior estatal brasileira, uma empresa de capital misto com ações negociadas em Bolsa, não é simples. O processo começou com uma carta, enviada nesta segunda-feira (23) por José Roberto Bueno Junior, chefe do Gabinete do Ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, em que pede ao presidente do Conselho de Administração da Petrobras, Márcio Weber, providências para convocar Assembleia Geral Extraordinária de acionistas com o “objetivo de promover a destituição e eleição de membro do Conselho de Administração”, referindo-se a Coelho.

Leia Também:  Troca nos ministérios: Substitutos buscam apoio do Centrão

Além de presidir a estatal, ele ocupa um dos seis assentos da União entre os 11 do colegiado.

Para Caio Mario Paes de Andrade assumir a empresa no lugar de José Mauro Ferreira Coelho, ele precisa primeiro ser eleito pelos acionistas membro do conselho, para depois ser escolhido pelo colegiado para a presidência. O governo, como maior acionista, tem condições de aprovar o nome dele nas duas instâncias, mas é preciso seguir uma série de ritos e regras.

Como Coelho foi eleito para o conselho por meio do sistema de voto múltiplo, uma nova assembleia de acionistas terá de ser convocada e uma nova eleição dos conselheiros terá de ser feita.

Fontes dizem que isso pode levar mais de um mês até que as mudanças ocorram. Até lá, o presidente da Conselho de Administração ou o diretor financeiro podem assumir interinamente o comando da estatal.

Segundo uma fonte do setor, a mudança no comando da Petrobras pegou de surpresa diretores e conselheiros, já que havia uma indicação de o comando da estatal “trabalhar em parceria com o governo” para achar uma solução para os preços.

Leia Também:  Contas de luz continuam com valor extra

A demissão de José Mauro Ferreira Coelho da presidência da Petrobras pegou de surpresa o alto escalão da empresa. De acordo com fontes, embora uma saída já fosse esperada, a velocidade da notícia foi uma surpresa até para o aliados do governo Jair Bolsonaro dentro da companhia. 

Segundo fontes, a demissão foi classificada como uma “loucura”. Outros afirmaram que o próprio Coelho, embora animado com o novo cargo, já esperava uma decisão do governo após a demissão de Bento Albuquerque do cargo de Ministro de Minas e Energia, que o escolheu para o cargo e de quem fora auxiliar na pasta.

Segundo relatos de amigos próximos, Coelho foi pego de surpresa com o comunicado da Petrobras na noite desta segunda-feira. Até às 15h, contou um interlocutor, ele não sabia desse cenário. 

José Mauro Coelho esteve com o presidente Jair Bolsonaro na semana passada em evento do Rio, eles se cumprimentaram, mas a demissão não teria sido tratada. Para representantes do setor privado, a demissão dele mostra como o governo não respeita a liturgia do cargo na estatal, que tem regras próprias de governança e ações negociadas na Bolsa.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Tecnologia 5G estreia no Brasil nesta quarta-feira

Publicados

em

O sinal de 5G puro (sem interferência de outras frequências) estreia no Brasil nesta quarta-feira (5). A primeira cidade a oferecer o sinal será Brasília, cujo funcionamento foi aprovado na última segunda-feira (4) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Próxima geração da internet móvel, a tecnologia 5G pura oferece velocidade média de 1 Gigabit (Gbps), dez vezes superior ao sinal 4G, com a possibilidade de chegar a até 20 Gbps. O sinal tem menor latência (atraso) na transmissão dos dados. Um arquivo de 5G pode ser baixado em cerca de 40 segundos nesse sistema.

A tecnologia 5G permitirá a estreia da “internet das coisas”, que permite a conexão direta entre objetos pela rede mundial de computadores. Essa tecnologia tem potencial para aumentar a produção industrial, por meio da comunicação direta entre máquinas, e possibilitar novidades como cirurgias a distância e transporte em carros sem condutores.

A TIM será a primeira operadora a oferecer o sinal 5G puro em Brasília. Em princípio, serão instaladas 100 antenas que atenderão entre 40% e 50% da população do Distrito Federal. Nos próximos dois meses, mais 64 antenas passarão a funcionar, elevando o alcance da tecnologia para 65% da população.

Leia Também:  Após renúncia do presidente da Petrobras, deputados pedem fim do PPI

Segundo o conselheiro e vice-presidente da Anatel, Moisés Moreira, as próximas cidades a receber o sinal 5G puro serão Belo Horizonte, Porto Alegre e São Paulo, mas as datas ainda não estão previstas. No início de junho, a agência reguladora definiu que, até 29 de setembro, todas as capitais deverão contar com a tecnologia.

Acesso

Para ter acesso à tecnologia 5G, o cliente deve ter um chip e um aparelho que aceite a conexão. O cliente precisa verificar se a operadora oferece o serviço e estar na área de cobertura. O site da Anatel informa a lista de celulares homologados para o sinal 5G puro.

O consumidor precisa ficar atento porque existem celulares fora da lista que mostram o ícone 5G. Nesses casos, porém, o aparelho não opera o sinal 5G puro, mas o 5G no modo Dynamic Spectrum Sharing (DSS) ou non-standalone (NSA), chamado de 5G “impuro” por operar na mesma frequência do 4G, na faixa de 2,3 gigahertz (GHz). Dependendo da interferência, o sinal 5G “impuro” chega a apresentar velocidades inferiores ao 4G.

Parabólicas

O 5G puro ocupará na faixa de 3,5 GHz, faixa parcialmente ocupada por antenas parabólicas antigas que operam com sinal analógico na Banda C. As pessoas com esse sinal precisarão comprar uma antena nova e um receptor compatível com a Banda Ku, para onde está sendo transferido o sinal das antenas parabólicas. Famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) com parabólicas antigas receberão conversores novos, que dispensarão a necessidade de comprar outras antenas.

Leia Também:  Todo cuidado é pouco: como caí em golpe do Pix mesmo sendo cauteloso

Segundo a Anatel, Brasília foi escolhida para estrear a tecnologia 5G por ter um número baixo de parabólicas. Conforme os dados mais recentes da agência reguladora, existem cerca de 3,3 mil parabólicas em funcionamento no Distrito Federal.

Originalmente, o edital do leilão do 5G, realizado em novembro do ano passado, previa que todas as capitais deveriam ser atendidas pela telefonia 5G até 31 de julho. No entanto, problemas com a escassez de chips e com atrasos na produção e importação de equipamentos eletrônicos relacionados à pandemia de covid-19 fez o cronograma atrasar dois meses.

Edição: Graça Adjuto

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

POLÍTICA

MULHER

POLÍCIA

MAIS LIDAS DA SEMANA